banner - SBPC 2022
Voltar

O PRESENTE E O FUTURO DOS ESTUDOS CLÁSSICOS NAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS (SBEC)

Tipo:

Mesa-redonda

Categoria:

Sênior

Local:

Remoto

Data e hora:

17:00 até 19:00 em 29/07/2022

video-thumbnail
Para abordar a questão sobre o presente e o futuro dos Estudos Clássicos nas universidades brasileiras, a Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos propõe um debate envolvendo áreas afins (história, letras e filosofia), com gerações distintas de diretores da SBEC (2001-2003, 2020-2021, 2022-2023), para tratar de realidades variadas de ensino, pesquisa e extensão na área de Estudos Clássicos no Brasil (sul, nordeste e norte).

Pessoas


Jacyntho José Lins Brandão

Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (1977) e Doutor em Letras Clássicas pela Universidade de São Paulo (1992). Professor Titular de Língua e Literatura Grega da Universidade Federal de Minas Gerais (1977-2018) e Professor Emérito da mesma Universidade (2019). Na UFMG, foi Diretor da Faculdade de Letras (1990-1994 e 2006-2010) e Vice-Reitor (1994-1998). É sócio fundador da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos, em que exerceu os cargos Presidente (1991-1993), Secretário Geral (1985-1987) e Tesoureiro (2004-2005). Foi Professor Visitante na Universidade de Aveiro (Portugal, 1998-1999) e na Universidad Nacional del Sur (Bahía Blanca, Argentina, 2001), bem como Directeur d'Études Invité na École des Hautes Études en Sciences Sociales (Paris, França, 2001). Pertence à Academia Mineira de Letras desde 2018, ocupando a cadeira 25. Foi Bolsista de Produtividade em Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (níveis B, A1 e A3) de março de 1989 a fevereiro de 2019. Seus principais trabalhos são na àrea de literatura grega (Luciano de Samósata, o romance e as teorias literárias gregas), língua grega (ensino do grego antigo) e filosofia grega (Platão), além de no campo das literaturas acádias da Mesopotâmia antiga e da literatura comparada. Publicou ainda obras de ficção.

Fabio Vergara Cerqueira

Universidade Federal de Pelotas

Professor Titular do Departamento de História da Universidade Federal de Pelotas. Bolsista Produtividade CNPq PQ1d em Arqueologia. Pesquisador Visitante na Universidade de Heidelberg - Instituto de Arqueologia Clássica. Pesquisador da Fundação Humboldt/Alemanha - modalidade Pesquisador Experiente - Arqueologia Clássica (desde 2014). Graduou-se no curso de Licenciatura em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1989) e concluiu doutorado em Antropologia Social, com concentração em Arqueologia Clássica, pela Universidade de São Paulo (2001). Coordenador do Programa de Pós-Graduação em História da UFPel (2015-2017). Leciona nos cursos de História Licenciatura e Bacharelado, Antropologia/Arqueologia Bacharelado. Entre 2006 e 2009, professor do Mestrado em Ciências Sociais. Desde 2007, professor permanente dos Cursos de Doutorado e Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural/UFPel, e, desde 2009, dos Cursos de Mestrado e Doutorado em História/UFPel. Nesta universidade, foi diretor do Instituto de Ciências Humanas por dois mandatos (2002-2010), coordenador do Curso de História (2000-2002), idealizador e coordenador do Laboratório de Antropologia e Arqueologia (2001-2012), do Museu Etnográfico da Colônia Maciel (desde 2006), do Museu da Colônia Francesa (desde 2015), do Laboratório de Estudos da Cerâmica Antiga (desde 2011) e do Circuito de Museus Étnicos (desde 2008). Foi Presidente (2001-2003) e Vice-Presidente (2004-2005) da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos, tendo sido Presidente do V Congresso da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos (SBEC), realizado em 2003. Foi coordenador nacional do GT de História Antiga da Associação Nacional de História (ANPUH) entre 2007 e 2008. Editor adjunto das revistas Cadernos do Lepaarq (UFPel) e Interfaces Brasil - Canadá. Entre outros, Integrou ou integra os conselhos editoriais dos seguintes periódicos: Dimensões. Revista de História (UFES); Metis (UCS); Cadernos do LEPAARQ. Textos de Antropologia, Arqueologia e Patrimônio (UFPEL); Justiça & História (Tribunal de Justiça do RS); Memória em Rede (UFPel); Patrimônio e Memória (UNESP); Plêthos (UFF); Romanitas (UFES) e Classica. Revista da SBEC. Experiência na área de História, ênfase em Arqueologia Histórica e Arqueologia Clássica, atuando principalmente nos seguintes temas: música, arqueologia, antiguidade clássica, história antiga e iconografia. Dedica-se ainda às áreas de Memória Social e Patrimônio Cultural, bem como à gestão museológica. Pesquisou junto a instituições estrangeiras, tais como Centre Jean Bérard / École française de Rome - Nápoles, École française d'Athènes e Instituto de Arqueologia Clássica da Universidade de Heidelberg. Membro da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos - SBEC, da Associação de Arqueologia Brasileira - SAB, da Associação Nacional de História - ANPUH, da MOISA International Society for the Study of Greek and Roman Music & it's Cultural Heritage e do International Council for Traditional Music / ICTM - Iconography of Performing Arts Study Group. Membro da diretoria da MOISA Society 2018-2020. Atualmente realiza Pós-Doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação em História Comparada - PPGHC/UFRJ.

Ana Maria César Pompeu

Universidade Federal do Ceará

Doutora em Letras Clássicas pela Universidade de São Paulo (2004). Fez um estágio pós-doutoral na Universidade de Coimbra, em Portugal (2010). Atualmente, é Professora Associada da Universidade Federal do Ceará. Atua nos Programas de Pós-graduação em Letras (PPGLetras) e em Estudos da Tradução (POET). É líder do grupo de pesquisa/CNPQ/SBEC: Núcleo de Cultura Clássica. Presidente da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos (2020-2021). Publicou Aristófanes e Platão: a justiça na pólis (2011), Dioniso matuto: uma abordagem antropológica do riso na tradução de Acarnenses de Aristófanes para o cearensês (2014), Acrópole, agora! Mulher, dentro! Homem, fora! Uma introdução à Lisístrata de Aristófanes (2018), Aristófanes, o dramaturgo da cidade justa (2019) e traduziu, de Aristófanes, Lisístrata (1998; 2010), Tesmoforiantes (2015), Cavaleiros (2017), e, de Plutarco, em colaboração, Epítome da comparação de Aristófanes e Menandro (2017). Organizou em colaboração os livros: O riso no mundo antigo (2012), Oralidade, Escrita e Performance na Antiguidade e Identidade e alteridade no mundo antigo (2013) e Grécia e Roma no Universo de Augusto (2015).

Jovelina Maria Ramos de Souza

Universidade Federal do Pará

Possui graduação em Filosofia (Licenciatura Plena) pela Universidade Federal do Pará (1988), Mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2002) e Doutorado em Filosofia pelo Programa de Doutorado Integrado em Filosofia - UFPB/UFPE/ UFRN (2011). Atualmente é Professor Adjunto IV da Universidade Federal do Pará desenvolvendo pesquisas no Programa de Pós-Graduação em Filosofia e no curso de Graduação em Filosofia. Sócio efetivo da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos (SBEC). Coordena o POIESIS - Grupo de Pesquisa em Filosofia Antiga e Recepção. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFPA (2014-2018). Vice Coordenadora (2018-2021). Cooperação Internacional com o Prof. Ioannis Petropoulos, da Democritus University of Thrace, Grécia, por meio do edital 04/2018 PROPESP/PROINTER. Pesquisador Voluntário no Programa de Pós-Graduação em Letras da UFC. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia Antiga, atuando principalmente nos seguintes temas: Platão, relação filosofia e poesia, representações do feminino na Antiguidade, teoria das paixões. Presidente da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos (gestão 2022-2023).